de Stefan Duncan Gallery

10.9.06

rio meu.

Vaclava Svobodova


tempo bom em que cabia nas grutas de raposa. via os pés dos adultos passar ao rés de mim sem me encontrar. e eu gostava assim . aparecia depois sem triunfo no rosto. nunca tive a certeza se não me viam mesmo ou se o corpo, desde sempre comprido, me traira.

voltarei a caber numa gruta, no fim.

vieram mais tarde outros corredores da terra. quilómetros deles, percorridos ao lado de homens silenciosos. ali, naquele túnel longo, tinham andado águas. gentes agora. ansiosas por vencer. por sair dos escombros de uma política de medo e incultura.

dizia poemas para disfarçar lutas outras. dez anos. e ia porque queria. era livre.


Claude La Riviere

talvez a chuva tenha engrossado o rio que ainda corre mas por dentro do cenário que sou.
e eu tranbordo de uma ternura grande, por um passado duro até perder de vista.



andy freeberg

mas o sorriso teima em me subir aos lábios.

também aqui, neste alentejo ardente, houve lutas tremendas e muito desiguais.

eles queriam tirar nabos da púcara cá ao velho. isso era bom de ver. mas com família minha ... ainda está para nascer o filho da mãe que me faça falar!

já cá não está o velho. nem o homem que nesse dia ele salvou.

o rio sim. corre sem espanto comigo dentro dele. ou ele dentro a mim?


Comments:
é estranho cm há lugares q se entranham em nós e naquilo q somos... imagens excelentes e excelentes palavras, as tuas. bj
 
curioso são as palavras em que nos revemos, como se fossem nossas: ..."o rio si,. corre sem espanto comigo dentro dele. ou será ele dentro a mim?"...
 
weg

hoje, deixa-me sem fala...

beijos
della
 
fico sempre encantada com a tua melodia. E a ternura! (e a teimosia?? ahahahha)

tens a certeza que a frase exacta era "filho da mãe"? :D

porque para a época que te referes a raiva que transbordou nessas lides cheira-me a uma outra...

lol

A continuar encantada (as Mouras encantam - arre que é mesmo danada)

- Pois sou.

Mas como gosto do que escreves, entre teimosa melga chata pequena (parva?) aqui continuo :D

Bom dia para ti que estou desgostosamente no trabalho nas vestes profissionais (e de portátil, claro)
 
Hoje, brindo-te com ... água!
Posso?

daniel
 
Que dizer?... Excelente!
Boa semana.
 
Isto é um jogo de salta pocinhas... Mas por mais voltas que dês aos amigos vens ter .
Sê benvinda.
Estilo inconfundível.
Mais uma vez gostei do novo caminho...

Até breve

Bjs.
 
Há rios de lembranças, rios de mágoas, rios que correm em nós sempre. **
 
P.S. Eu bem tento explicar as vantagens de só se ter 1.60cm mas ninguém acredita!
 
Olá, Bom dia amigos!

Isto de ter 9 pessoas a ler já é responsabilidade a mais...

:)

Fico sem jeito. Até porque escrevo ao correr da pena, sem preocupações de correntes ou estilos. Escrevo como quem conversa, pelo puro prazer de comunicar.

Obrigada pela paciência e o carinho todo.

Beijos e um Bom dia. E lá volto eu a trabalhar :)
 
(mas ninguém vai embora, azar)
 
:D

Sorte minha, Teresa, sorte minha.

:)
 
de algum modo nós somos como um rio, e um rio é como nós
...

"o rio sim. corre sem espanto comigo dentro dele. ou ele dentro a mim?"

gostei muito

:)
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Divulgue o seu blog!

Estou no Blog.com.pt

blogwise

Creative Commons License
Esta obra está¡ licenciada sob uma Licença Creative Commons.